Os 10 melhores poemas brasileiros de todos os tempos - Frases para status

Os 10 melhores poemas brasileiros de todos os tempos



Veja Os 10 melhores poemas brasileiros de todos os tempos para copiar e compartilhar

 Os 10 melhores poemas brasileiros de todos os tempos




Carlos Willian Lee


As listas são sempre incompletas e a opinião, assim como a percepção, é conhecida por ser algo individual, subjetivo e bizarro. De qualquer forma, os 10 poemas selecionados, senão unânimes entre os respondentes da pesquisa (e talvez não entre os leitores), são referências inegáveis ​​a alguns dos momentos mais maravilhosos da história da poesia brasileira. O resultado não é abrangente nem final e corresponde apenas à opinião dos entrevistados. Por razões de direitos autorais, apenas trechos de alguns dos poemas foram publicados.


Máquina mundial


(Carlos Drummond de Andrade)


E quando entrou misteriosamente


Estrada Minas, rochosa,


E no final da tarde uma chamada rouca


Misturado com o som dos meus sapatos


Que está suspenso e seco; Os pássaros voaram


No céu de chumbo e suas formas pretas


Lentamente se estiver diluído


No escuro das colinas


E para minha decepção,


A máquina do mundo partiu


Para quem já quebrou o shuffle


E pense apenas neste tapete.


Eu abri majestoso e sóbrio,


Sem a voz do impuro


Nenhum surto é mais do que aceitável


Alunos sob exame


Deserto duro e doloroso,


E uma mente atormentada por mentiras


Toda a verdade vai além


A própria imagem foi corrigida


Diante do mistério, no abismo.


Eu abri em pura calma e tentado


Quantos sentimentos e intuições restantes


Todos que usaram já o perderam


E eu nem quero trazê-los de volta,


Se repetirmos em vão e para sempre


Mesmo sem textos chatos de seixo,


Convidei todos para um grupo,


Aplicar a pastagem sem precedentes


Natureza Mítica das Coisas.


 


(Trecho de "A Máquina do Mundo" de Carlos Drummond de Andrade).


Estou saindo para pasargadae


(Manuel Bandera)


Eu estou saindo para pasargadae


Eu estou lá por um amigo do rei


Ai eu tenho a mulher que eu quero


Na cama eu escolheria


 


Estou saindo para pasargadae


Eu estou saindo para pasargadae


Eu não estou feliz aqui


A existência é uma aventura


Esse caminho é ilógico


Isso é loucura Joanna da Espanha


Rainha e mentirosa maluca


Se trata de análogos


Eu nunca tive uma nora


 


Como vou fazer ginástica


Vou andar de bicicleta


Vou montar um burro malvado


Vou subir em um galho gorduroso


Estou nadando no mar!


E quando você se cansa


Deitado ao lado do rio


Enviado para convocar a Mãe da Água


Conte-me as histórias


Está na minha hora, garoto


Rose veio me contar


Estou saindo para pasargadae


 


Pasárgada tem tudo


Esta é uma civilização diferente


Operação segura


Contracepção


Existe um telefone automático


Facilmente um alcalóide


Existem lindas prostitutas


Para nós hoje


 


E quando eu estiver triste


Infelizmente, você não foi capaz de


Quando você me dá à noite


Desejo de me matar


Estou aqui amigo do rei.


Eu vou conseguir a mulher que eu quero


Na cama eu escolheria


Estou partindo para Pasárgada.


Um poema sujo


(Ferreira Golar)


Nublado nublado


nublado


Soco


Para a parede


Sombrio


Menos é menos


Menos que escuro


Menos que macio e duro


Menos trincheiras e paredes: menos buracos


Sombrio


Mais escuro:


puro


Como água? Como esta a caneta


Claro mais do que claro claro: Nada


e tudo isso


(Ou quase)


O animal que o universo faz


E eu sonhei das profundezas


azul


Era um gato


azul


Havia um galo


azul


cavalo


azul


Sua bunda


Suas gengivas são iguais aos seus lábios


Quem parecia estar sorrindo entre os lençóis


O cheiro de banana entre as flores


E carne de porco aberta como


Boca do corpo


(Diferente de suas palavras) Como


Entrada para


eu não te reconheci


não sei


Transformando a vida


Com pilhas de estrelas e oceano


Para conhecer você


lindo lindo


mais que bonita


Mas qual era o seu nome


Não era Elena ou Vera


Nem Fire nem Gabriela


Nem Teresa nem Maria


O nome dele era ...


Perca-se em frios


Ele estava perdido nas perturbações do dia e da noite


 


(Trecho de "O Poema de Sogo" de Ferreira Golar).


Soneto da Fidelidade


(Vinicius de Moraes)


Estarei atento ao meu amor


Antes e com tanto entusiasmo e sempre e o mesmo


É mesmo em face da maior magia


Meus pensamentos o hipnotizaram mais.


 


Eu quero viver cada momento


E em louvor vou postar minha musica


E você ri com a minha risada e derrama suas lágrimas


Sua tristeza ou sua satisfação.


 


E então quando você me procurar mais tarde


Quem conhece a morte a saudade de quem vive


Quem conhece a solidão acabará para quem ama


 


Eu posso falar sobre o amor (eu tive):


Que ele seja imortal, porque esta é uma tocha


Mas que nunca termine enquanto durar.


via Láctea


(Olafo Bellac)


“Por que (ela diz) você ouve as estrelas! Direito


Você perdeu a cabeça! "E eu vou te dizer, no entanto,"


Para ouvi-los, muitas vezes eles acordam


As janelas se abriram, pálidas de surpresa ...


 


Nós até conversamos a noite toda


A Via Láctea é como um guarda-chuva aberto


Brilha completamente. E quando o sol nasceu, eu perdi a casa e chorei


Estou procurando por eles no céu do deserto.


Agora ela diz: "Amigo louco!"


Quais são as conversas com eles? qual é o ponto


Você tem algo a dizer quando eles estão com você? "


 


E direi: "Adoraria compreendê-los!


Só quem ama já ouviu


Capaz de ouvir e compreender as estrelas. "


Um cachorro sem penas


(João Cabral de Melo Neto)


Um rio atravessa a cidade


Como a rua


Cão passa


a fruta


Com a espada.


 


O rio agora foi chamado


Língua macia de cachorro


Agora a barriga de um cachorro triste,


Agora outro rio


Um pano sujo e úmido


Dos olhos do cachorro.


 


Esse rio


Parecia um cachorro sem penas.


Ele não sabia nada sobre a chuva azul,


Fonte rosa


Água de um banquete de casamento,


Jarro de água


Peixes aquáticos


Uma brisa na água.


 


Você sabe sobre câncer?


Sujeira e ferrugem.


 


Sabia sobre sujeira


Como a membrana mucosa.


Eu deveria saber sobre os povos.


Eu certamente sabia


Mulher febril vive em ostras.


 


Esse rio


Nunca abra para caça


Brilhar,


Abandone a ansiedade


Em peixes.


Ele não se revelou no peixe.


A Canção do Exílio


(Gonçalves Dias)


Existem palmeiras na minha terra


Onde Sabia canta.


Pássaros cantando aqui


Eles não tweetam como fazem lá.


 


Existem mais estrelas em nosso céu


Existem mais flores em nossas várzeas


Há mais vida em nossas florestas


Nossa vida ama mais.


 


Eu acho que sozinho a noite


Acho mais divertido lá;


Existem palmeiras na minha terra


Onde Sabia canta.


 


Minha terra é linda


Não consigo encontrar essas coisas aqui.


Pensando - sozinho à noite -


Acho mais divertido lá;


Existem palmeiras na minha terra


Onde Sabia canta.


 


Não deixe deus morrer


Para voltar lá sem mim;


Não é bonito


Isso eu não consigo encontrar aqui.


Nunca vi palmeiras


Onde Sabia canta.


 


Destino despedaçado


(Augusto dos Angus)


 


Recife. Ponte Bouarc de Macedo.


Eu vou para a casa Agra,


Assombrado por minha sombra escondida


Pensei no destino e tive medo!


 


No porão de popa, o fósforo alvo


Das estrelas brilhavam ... o pavimento


Sáxeo, asfalto maciço, laminado e cetim,


Ele copiou a literatura de um crânio careca.


 


Eu me lembro bem disso. A ponte era longa


E minha enorme sombra encheu a ponte


Como a pele de um unicórnio


Isso se espalha pela vida toda!


 


Esta noite fertilizou um ovo do vício


os animais. De carvão totalmente escuro


Havia o ar maldito de doença


Sobre o aspecto geral dos edifícios!


 


Que horda feroz de cães famintos


Atravesse uma estação abandonada


Ele uivou dentro de si com a boca aberta,


Um rebanho atordoado de instintos!


 


Como se estivesse na alma da cidade


Extremamente franco e rebelde


Possui carne, uma besta livre


Ele soltou o grito da alma.


 


E aprofundando a lógica negra,


Então eu vi à luz dos reflexos dourados,


O trabalho genético dos sexos,


Criando homens do futuro à noite.


 


(Trecho do livro “Como Cismas do Destino” de Augusto dos Agnos).


O banheiro


(Raymondo Correa)


O primeiro pombo que acorda anda ...


Outro vai ... outro ... Finalmente a dúzia


As pombas só saem do sótão


Sangue fresco e estrias ao amanhecer.


 


E à tarde, no severo norte


Soprando, sótão de novo, quieto,


Asas tremulam, penas tremulam


Todos eles voltam em bandos e bandos.


 


Também dos corações onde eles visitaram,


Sonhos, um após o outro, voam rapidamente


As pombas voam como pombas.


 


No azul da juventude, as asas se abrem


Eles fogem ... mas os pombos voltam para o sótão,


E não volte para seus corações.


A invenção de Orfeu


(Jorge de Lima)


Um.


Baron Baron


Nem casaco, nem borda, nem glória


Ele apenas cumpre seu destino:


Ame e elogie sua senhora,


Nadar dia e noite,


Daqui e de fora


Uma ilha que busca e ama o que você ama.


 


Nobre apenas em memórias


Eu me lembro dos meus dias


Dias que nos contam


Histórias frívolas


Passado e futuro,


Naufrágios e outras dificuldades,


Descoberta e alegria.


 


Descobri alegrias


Ou mesmo encontrado, é isso


Em todos os navios de guerra


Forjando boo,


Pista de apoio do mastro


Para outros países vinícolas.


Este é um vaso bêbado.


 


O barão está bêbado, mas o barão


Manchas texturizadas


Entre o mar, o céu e a terra


Ele fala sem ouvir


Pesca, pessoas e pássaros,


Bocas e fontes com chaves,


E ele não tinha chaves nas mãos.


 


Dois.


Ninguém encontrou a ilha


Porque todos nós sabemos disso.


Mesmo nos olhos havia


Geografia compreensível.


 


Mesmo no fim do mar


Eu encontrei uma ilha


Mesmo sem mar e sem fim,


Mesmo sem terra e sem mim.


 


Mesmo sem navios e estradas


Mesmo sem ondas e areia,


Sempre tem uma taça de mar


Para uma pessoa nadar.


 


Você não encontra e não vê


Nem descrição, nem viagem,


Temos jogos de aventura


Mas isso nunca aconteceu.


 


Nós nunca chegamos lá


Eu sou areia movediça.


A terra está se movendo, o céu está incerto,


O mundo nunca abriu.


 


Testemunho de canibais


Sinais do Céu e Sarcas,


Aqui está o mundo escondido


Gemidos em uma concha perdida.


 


A bússola subiu para a frente,


Cardumes, aljavas, pérolas,


Dias de Páscoa.


E isto

veleiro não tem velas!


 

Afinal: a ilha das praias.


Voce quer uma mae



Gostou do Os 10 melhores poemas brasileiros de todos os tempos? Compartilhe com seus amigos

Deixe sue comentario

/ / /